Estamos no maior e o mais antigo antiquário especializado em azulejos originais e com o maior espólio, não só de Portugal como do mundo. E está na nossa freguesia na rua D. Pedro V, nº 70.

Solar Antiques fundada em 1957 por José Manuel Leitão que sentiu a falta de um local específico para encontrar azulejos para a sua casa, em obras. Foi nesta falha que encontrou potencial para abrir um negócio. O Solar foi crescendo passando de pai para filhos e mais recentemente para uma neta. O negócio está hoje na terceira geração da família, mas a sua filosofia mantém-se: “transmitir o maior conhecimento possível sobre azulejos e artes decorativas portuguesas”.

“O azulejo não é nosso é de todos. Nós somos só fiéis depositários das peças. Tudo isto é dos portugueses, é o que nos identifica, é o nosso maior produto externo”.

Quem o afirma é Verónica Leitão, abraçou o negócio de família em 2015 e se primeiro estranhou, agora já não se vê a fazer outra coisa.

“Primeiro estranha-se depois entranha-se e comigo foi um bocado assim (...) desde que estou a trabalhar aqui nunca mais tive o problema de me custar a acordar. Gosto muito onde trabalho e faço para que todos os dias sejam sempre melhores”.

Consciente do negócio de muitos séculos passados, sabe que a forma como comunica seja online ou presencial é fundamental para fomentar a cultura portuguesa e "o que de mais nobre temos – os azulejos”. “Estamos localizados em Portugal, mas o mundo está todo à nossa porta. No nosso site por exemplo, temos cerca de 30 mil visitas mensais e não tem vendas. É meramente informativo (...). Na loja todos são bem-vindos. Deixamos entrar animais, crianças, damos chupa chupas a todas as crianças para estarem entretidas, assim é uma visita mais agradável para pais e filhos. E temos todas as peças identificadas para as pessoas andarem à vontade. Ter a informação sempre disponível é o mais importante como uma relação de confiança com o cliente”.

Mas nem tudo são azulejos do século XV ao século XIX. Neste antiquário é possível encontrar porcelana das Caldas da Rainha, portas, peças de exterior, um cantinho de Rafael Bordalo Pinheiro. Tudo peças únicas de artes decorativas portuguesas.

O antiquário foi definido pelo Jornal The New York Times como um dos 12 tesouros da Europa (o único em Portugal). Além de ser um antiquário, tem o propósito, acima de tudo, da recuperação de património.

Aproveite para conhecer este espaço de segunda a sexta, das 10h às 13h e das 14h às 18h. E aos sábados das 10h às 13h.