Entre luvas penduradas, imagens de pugilistas, skates, são várias as inspirações quando entramos no número 15 da Travessa do Fala Só. Há seis anos a funcionar na Freguesia de Santo António, Belarmino é já uma referência na barbearia clássica.

“Aqui não nos apresamos a cortar o cabelo. Olhamos para o cliente como um indivíduo e não um coletivo. O que o cliente sente quando se senta na cadeira, quando conversa connosco e nos dá a conhecer um bocadinho dele, tem um valor muito importante. O cliente não sente que é mais um, acabando por se sentir parte desta casa”, afirma Miguel Leão, há mais de 10 anos como barbeiro, tendo deixado para trás uma carreira de controlador financeiro no ramo da aviação comercial. A paixão pela arte levou-o a aprender com os melhores e, após uma experiência na Noruega, conseguiu abrir o seu próprio negócio na Freguesia de Santo António.

“Gosto imenso de estar aqui. No início fiquei com o pé atrás, porque fui pressionado para abrir as portas para não ficar sem trabalhar. Mas à medida que vou conhecendo a freguesia cada vez vou gostando mais desta zona. Adoro estar aqui, este largo é encantador”.

O nome Belarmino é uma “homenagem à modalidade que me ajudou muito”, tendo Miguel ingressado aos 16 anos nas escolas de boxe do Sporting Clube de Portugal. “Belarmino é uma personagem de Lisboa, dos anos 60, marcando o pugilismo português. E é também uma homenagem aos cortes de cabelo da época, porque as pessoas podiam não ter dinheiro, mas andavam impecavelmente bem penteadas.

O que distingue o trabalho que o Miguel Leão, o Niko Bena, a Marta Vidal, levam a cabo de terça a sexta das 10h às 20h e aos sábados, das 10h às 15h, tem sido a sua autenticidade que rapidamente aproxima o cliente que procura aqui muito mais do que um corte de cabelo.

Marcações através do 214 023 337 ou https://belarmino.resurva.com/