“Fundada em 1793 é, no género, a casa mais antiga e importante do nosso país. Dispõe de um completo sortido em plantas medicinais tanto nacionais como estrangeiras e acondicionadas pelos processos mais higiénicos, inspirando, por isso, à sua numerosa clientela, absoluta confiança”. Esta é a descrição feita numa fotografia de 1942, para falar da mais antiga ervanária em pleno «Passeio Público» (como era antigamente denominado o Largo da Anunciada). 

Todas as classes sociais sabiam que ali estava o remédio para muitos dos males que, diziam, a própria medicina não vencia. E após quase 200 anos nas mãos da família do fundador (Alfredo Augusto Tavares), há 32 anos que esta sociedade pertence aos seus principais fornecedores de plantas naturais – Américo Duarte Paixão e Maria Celeste Santos.

Nascida no Vale da Trave (Santarém), zona conhecida como «Terra das Ervanárias», Maria Celeste recorda que a sua família fornecia plantas medicinais e aromáticas (ex: alecrim) em sacos grandes à Antiga Ervanária. Em julho de 1990, passou ela a gerir a casa. «Quando aqui cheguei, as pessoas vinham e diziam: “Eu quero o chá 11, o chá 20, chá 9"», o que exigiu muita aprendizagem e dedicação. Hoje, afirma que conhece todos os produtos de «olhos fechados». 

O tempo trouxe consigo uma maior variedade nos chás, embalagens mais apelativas e a expansão para o mercado dos suplementos alimentares. Uma expansão que contribui para manter viva a tradição de 229 anos de história da primeira ervanária do país, situada na Freguesia de Santo António.

 

Horário: segunda a sexta das 09h às 18h

Largo da Anunciada nº 13, 14 e 15