Quantas beatas de cigarro são lançadas no ambiente? Para onde vão? E quais os impactes? A importância de manter uma cidade limpa, reduzindo o impacte das beatas de cigarro e seus componentes químicos e tóxicos na natureza começando pela nossa cidade através das calçadas, jardins, rios, praias, etc. Foram algumas das explicações dadas a cerca de 800 pessoas, de diferentes idades e áreas, que passaram no stand Ciências Sociais e Humanas “A mudança começa com a consciencialização, vamos conhecer?”, na Noite Europeia dos Investigadores.
 
Durante as 6 horas de evento, Jade Freire, estudante de Mestrado em Ecologia Humana na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, preparou com o apoio do serviço de comunicação da Freguesia de Santo António, uma visita interativa recorrendo a materiais visuais informativos dos resultados da investigação de mestrado, para além de conversas e tertúlias. Foram ainda distribuídos cerca de 200 cinzeiros de bolso para os adultos fumadores que participaram das atividades, materiais autocolantes e panfletos informativos, cerca de 1.500, de boas práticas ambientais em relação à beata de cigarro, a sua composição e consequências no ambiente. Resultado da campanha “Porque o mar começa aqui, bem no coração de Lisboa” de sensibilização ambiental para pontas de cigarros através do serviço de Limpeza Urbana da Freguesia de Santo António.

O resultado no dia 27 de setembro não podia ser mais positivo por parte dos visitantes:
“Obrigada pela explicação. Achamos que parte das pessoas deviam de aprender mais sobre o assunto”.
“O que mais gostei foi do globo terrestre, é muito impressionante”.
“Cinzeiros, um bom incentivo à limpeza dos passeios”.
 
A Noite Europeia dos Investigadores 2019 recebeu 4750 visitantes no Museu Nacional de História Natural e da Ciência e no Príncipe Real e 600 investigadores registados, pertencentes a 80 unidades de investigação, responsáveis pelas 118 atividades que, mais uma vez, aproximaram investigadores e sociedade.