A terceira sessão pública de apresentação e debate da ZER ABC - Zona de Emissões Reduzidas Avenida Baixa Chiado – aconteceu a 21 de fevereiro, na Freguesia de Santo António.

As honras da casa couberam ao Presidente Vasco Morgado que, perante um auditório cheio na União de Associações do Comércio e Serviços (UACS), afirmou que “A Freguesia de Santo António não tem medo de mudanças só queremos perceber como vão ser feitas”. Reforçando durante o seu discurso que a sua preocupação é única e exclusivamente para com aqueles que aqui moram e que a Freguesia “quer fazer parte da solução e não dos problemas”.

A explicação de todo o projeto coube ao Presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML) Fernando Medina que numa “abertura de espírito”, como o próprio afirmou, começou por salientar as principais razões deste modelo, que continua aberto a ideias e sugestões.

A saber:

- Metas ambientais (reduzir em 60% as emissões de CO2 até 2030);

- Melhorar a qualidade do ar (a Av. da Liberdade excede 50% da poluição);

- Reduzir o número de carros na Baixa de Lisboa (por dia circulam 100 mil carros, o objetivo é reduzir em 40% o número de carros, permitindo a recuperação de 4,5 hectares de espaço pedonal).

Um dos principais objetivos para a zona que abrange a Freguesia de Santo António é impedir que “a Avenida da Liberdade continue a ser uma zona de atravessamento, recuperando nesta zona o antigo Passeio Público”. Fernando Medina deu ainda a conhecer as alterações previstas para a circulação nas laterais da Avenida da Liberdade, desde o alargamento dos passeios e mais ciclovias.

As questões de acesso restrito e horário condicionado para cargas e descargas não envolve a Freguesia de Santo António, uma vez que estas medidas apenas dizem respeito à zona ZER. A nossa Freguesia não é uma área de emissões reduzidas, mas sim envolvente. 

À semelhança das sessões que já decorreram nas outras Freguesias, o estacionamento dominou o debate. E perante esta preocupação, o Presidente da Câmara Municipal de Lisboa assegurou os presentes que, em conjunto com a Freguesia de Santo António, vão arranjar soluções. Desde “preços mais acessíveis nos parques de estacionamento subterrâneos ou aumentar o estacionamento exclusivo a residentes”.

Após esta apresentação por todas as freguesias do centro histórico, o projeto entrará na fase de consulta pública no mês de março. Segundo o calendário apresentado de implementação da ZER, em maio, decorre o registo dos veículos autorizados, e em junho tem início o funcionamento da primeira fase, com caráter de informação e sensibilização por parte dos agentes da Polícia Municipal e da EMEL. Em agosto, os acessos serão plenamente controlados.

Presentes na sessão de esclarecimento da UACS estiveram ainda o Vereador da Mobilidade e Segurança da CML, Miguel Gaspar e o Vice-Presidente da CML, João Paulo Saraiva.

Para mais informações sobre este projeto aceda em https://zer.lisboa.pt